16 de julho de 2015

Do ter hora para tudo

Eu, após perceber o tema hora, em mais de uma postagem do mês passado por aqui, que passeio o olho, porque sobrou tempo, resolvi trazer hoje para cá, tipo bater na mesma tecla vê se funciona, o que cronicalizei numa das resenhas, a prática sem disfarce, uma falta generalizada de sei lá quantas coisas, que é a pessoa, que por exemplo está fazendo a sua unha no salão ou recepcionistas de lugares diversos, junto com o atendimento e durante pararem duas a dez vezes para ver e responder as mensagens, likes, e afins no celular.
Comigo é recorrente e tenho a impressão que só a mim incomoda, não vejo ninguém fazer cara feia, se manifestar, comentar em rodas e paralelos de papos amenos. Será assim agora em todo lugar? É tipo viral e normal?
Eu como sugere um dos textos de Marina Colassanti, que li a muito tempo atrás e tenho desde então mantra, quero nunca me acostumar com certas coisas. Acontece muito de eu estar pedindo informação e a pessoa além do descolar da realidade nas visualizações e tecladas que não sei se não são categorizadas como atender o celular, que pois vezes também ocorre.
Sei é que ainda tem o papo real sobre o virtual ou assuntos diversos que não incluem os telefones, tipo no supermercado em meio ao passar das compras, num grau de parar o que estão fazendo, quando não é o fiscal ou gerente que interrompe o serviço que deveria zelar para que seja feito com agilidade e profissionalismo, para falar da festa do dia anterior, mostrar meme no zap, vídeo. Em exames médicos já fiquei esperando a pessoa terminar de responder ou ver algo, sem cerimônia ou consternação com meu caso que não era nada, mas poderia ser, sem a higienização do aparelho, que ninguém considera é colocado em todo canto, pego com mão suja o tempo todo e ai lava-se a mão, poe a mão nele e é isso. 
Não dá para mim! Momento queixas para amanhã entrar na sexta em outra vibe. è que não sou de ferro e nem o mundo é azul ou cor de rosa, tenho vontade de dar um faniquito as vezes, fazer cof cof, ficar olhando com expressões que bem faço e dispensam palavras, mas tenho me controlado, afinal o mundo anda de um jeito que você pode estar coberta de razão mas tá errada, é agredida, ofendida, ameaçada, passa de louca e tudo pode passar a ser ainda mais demorado, podem cuspir no seu almoço caso você faça qualquer tipo de reclamação como diz meu marido e assim caminha a humanidade. Oh Lord!

8 comentários:

  1. Oi Tina,
    Seu desabafo é pertinente, realmente há um exagero na utilização desses aparelhos, eles viciam. E realmente tem muita gente "sem noção".
    Já existe aqui em São Paulo, ambulatórios de saúde mental especializados em vício em internet.
    Entendo seu sentimento, Não é fácil nadar contra a correnteza. Mas você está certa, tem certas coisas com as quais não devemos nos acostumar.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Tina, novamente concordo contigo! Vê-se cada uma! Total falta de respeito e educação!
    Parece que a pessoa que está na frente nada vale .Só a que chama ou deixa mensagens. Incrível.Me irrita muito!

    E pensar que nem, há tanto tempo atrás, poucos usavam celulares e apenas viviam! bjs, valeu o desabafo bem justificado! chica( demoraste hoje,rs estranhei!!

    ResponderExcluir
  3. Oi Tina

    Não podemos achar que tudo é normal, até pq temos nossos princípios e valores, muita gente tem trocado os seus.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. Bom, já falei aqui uma outra hora sobre minha indignação sobre esse assunto e essa falta de humanidade as vezes. Aqui em casa, não tenho celular, nem Whats, nem filha tem, marido tem porque precisa no trabalho, mas já pedi licença várias vezes para meus amigos devolverem a alma e conversarem olho no olho, sou chata e meio das antigas as vezes, mas modernidade cabe na vida da gente, mas no seu devido lugar!
    Beijos Tina Flor!
    CamomilaRosa

    ResponderExcluir
  5. Num mundo onde as redes sociais estão em febre pessoas trocam amigos por virtualidade, deixa de responder a gente para escrever mensagens, vejo isso na minha mãe, minha irmã é viciada, em frente a tv nem ver mais filme a gente diz olha lá, e ela perde a cena respondendo no whats. triste relaidade, mas que não podemos nos calar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é!
      E nessa, uma total falta de envolvimento com o que se está assistindo, ouvindo, lendo...
      E com isso falta de aproveitamento e distorções.

      Tudo sempre interrompido, intercalado com assuntos diversos.
      Penso (ou será torço) para que se enjoe, para que novos aplicativos não sejam tão atraentes, para que uma mania de escutatória e desconexão seja viral e ainda que as conexões, barulhos e ruídos ganhem espaço de novo (partindo do princípio de que modas são cíclicas), se faça uma pausa, uma faxina pra arejar mentes e corações, resgates individual e coletivo.
      Que se abra olhos, ouvidos, braços, colos, abraços, serviços bem prestados à miúdo e no atacado.
      Amém!

      Excluir
  6. E não é que estou vendo gente que está enjoando de tal aplicativo, tal rede, tal jogo. Isso me devolve a esperança, como você escreveu!
    Já está provado que perde-se muito em produtividade por causa dessas interrompidas para olhar a telinha.
    Vamos torcer, praticar, ensinar, falar. Afinal nào custa nada tentar!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Imagino todos fugindo da realidade para um mundo virtual que pode ser controlado e dirigido( nem tanto). Uma triste ilusão que um dia vai bater de cara no mundo real e sofrer... sofrer para retomar seu eu, sua vida, sua realidade, sua identidade...
    Acho que tudo isso faz parte da evolução do ser humano, espero...
    bjs

    ResponderExcluir