6 de agosto de 2015

Convite a civilidade e bondade

Ilustração via Amanda Cass
Vê se faz
Com rima e pela imagem
A gente ser mais amor
Um coisa jogada ali, um ser desleal ali, querer entrar no carro ou transporte coletivo, antes das pessoas que estão para sair, saírem. Um envelope da empresa levado pra casa, o inadmissível parar em vaga para deficiente, o sorrateiro dar uma furada de fila acolá. Foram essas e tantas outras más condutas, e pequenos roubos e corrupções cotidianas. que motivaram e moveram um engenheiro, chamado Michel Friedhofer, a criar a página Um Convite à Civilidade lá nas bandas do Facebook.
Li por ai, tava nos rascunhos para publicar e achei hoje na arrumação de gavetas virtual e resolvi compartilhar, fazer quem é das bandas visitar, se inspirar. “Uma vez eu ouvi um ditado que me marcou muito. Dizia o seguinte: “Integridade é fazer a coisa certa mesmo quando ninguém está olhando”. Eu acredito muito nisso”, diz a matéria ser o texto de apresentação da página.
Tá sim, mesmo e muito, cheio de gente nem ai, de maus modos, mas conheço pessoalmente pessoas que fazem as coisas certas. A gente sempre conhece e pouco enaltece, os telejornais e programas de auditório, filmes, livros, jornais e tudo mais, falam mais dos males, penso que isso não agrega, que o bem e o bom é que mais deveriam ter cartaz. E no passo e energia da rima, creio que os gestos de amizade, de cidadania, bons comportamentos. servem de alento e podem ser multiplicadores e imitados se levados a balia tipo trabalho de formiguinha.
Pequenas mudanças de atitude no modo privado, mudar o pensar, o olhar, se der tempo, e sempre dá, gestos de caridade, não tipo com cartaz ou dos que batem a nossa porta. Vale e dá para por exemplo levar um pão a um mendigo que tá sempre no mesmo lugar, uma caixa de chocolates também vale, porque não. Um suco geladinho, um café quentinho.
Compre e dê de presente sem data um livro que tenha algo que possa ajudar um amigo, ou dê um dos seus, tipo terminei de ler e lembrei  de você.  Compre clips coloridos para sua mesa de trabalho para enfeitar sua mesa, para enfeitar os papéis da empresa, par colorir seu dia numa passada de olhar que você de para eles e deixe de levar os clips da empresa pra casa.
Dê a vez, dê o lugar, dê bom dia, boa tarde, boa noite. Diga por favor, obrigada. Guarda na bolsa ou no bolso o papel que pensar jogar na rua, lata, garrafa, canudo na praia nem pensar. E ai, dá pra ser? Dá! Certeza que dá!

5 comentários:

  1. Oi Tina, adorei o post!
    Tem muito a ver com a historinha que postei hoje. Sempre dá para deixar a vida mais bonita, mais amorosa e leve. Não apenas para nós, mas para todos...
    Adorei a página que você divulgou, muito interessante.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Muito bom e verdadeiro,Tina! Queremos tantas mudanças, mas nós, em pequenos gestos podemos assim começá-las! E não custa nada! Mas vale muiiiiiiiiiiiiiiiiito! bjs, lindo dia! chica

    ResponderExcluir
  3. Hj ta tudo isso meio extinto.
    Outro dia sorri para o Senhor do caixa, ele me perguntou pq estava rindo.
    Você acredita nisto?
    Ai ai, se to de cara fechada to emburrada se sorrio incomodo rs.. Vai entender esse povo.
    Pequenos gestos denotam educação e gentileza.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. Tina, nos horrorizamos com os milhões, bilhões perdidos do povo para a corrupção. E um envelope trazido escondido na bolsa é, em tamanho menor, a mesma corrupção.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Tina, o que infelizmente observo é que as pessoas em geral adooooram ver o lado negativo das coisas, adooooram uma morbidez, porque, do contrário, esses noticiários, telejornais e documentários com tanta desgraça não teriam tanto Ibope.
    Ninguém está se importando com quem vai visitar um doente, praticar caridade em um asilo ou mesmo os pequenos gestos, como você disse, de dar uma esmola a um mendigo ou simplesmente fazer uma gentileza a alguém. Mas experimenta ouvir uma batida de carro... O que aglomera de gente! É sinistro!
    Felizmente, assim como você, conheço pessoas que fazem as coisas certas. Minha mãe é um exemplo nato disso. Ela tem pavor de dívidas (não sei como alguém consegue viver sem uma dívida sequer, mas enfim, rs), de emprestar e não devolver, coisas assim, que parecem bobas, mas se analisarmos não são.
    Eu adoro fazer agrados aos meus amigos e faço sempre que posso. Também me faço presente nos momentos de dor, como infelizmente aconteceu semana passada com uma família da igreja que frequentei um tempo e perdeu um ente querido. Por este motivo, fiz aquele post ao blogueiro que passou por uma tragédia, eu não suporto a ideia da indiferença com a dor alheia, a falta de empatia. E não tem nada a ver com querer aparecer como algumas pessoas podem imaginar, isso vem de mim naturalmente.
    Também não consigo conviver sem as palavras mágicas de bom dia, boa tarde, boa noite, com licença, obrigada em locais por onde vou. Só não faço mais isso na rua, nem mesmo com gente conhecida. Uma vez fui cumprimentar toda feliz uma pessoa que era amiga e ela nem respondeu. Fiquei muuuuito envergonhada e detesto essa sensação de pagar mico. huahuahaahaua!

    Rivotril com Coca-Cola

    ResponderExcluir