9 de outubro de 2015

Do por amar, educar

Embora Immanuel Kant seja bastante conhecido e citado, não é suficientemente conhecido, lido e citado em minha opinião e dentro dessa falta de popularidade estão suas ponderações e colaborações pedagógicas. Tantas escolas usando o mesmo referencial teórico e prático e Kant num canto, para não perde o trocadilho.
Muito influenciado por Rousseau, criaram juntos teorias baseadas nos deveres morais dos indivíduos em confronto com a sua liberdade, que nunca devem ser dissociados e dessa concepção a proposta da interiorização das leis morais, que não devem ser determinadas e nem impostas por alguma força externa às pessoas, inclusive pela fé.
"Não dê atenção aos gritos das crianças e não se condescenda com elas, quando querem obter alguma coisa por esse procedimento; mas, se pedem cordialmente, deve-se dar a elas o que é útil" (Kant). Conhecer o bem e o mal, sentir as razões dos deveres do homem não é da alçada de uma criança. A natureza quer que as crianças sejam crianças antes de ser homens. Se quisermos perturbara essa ordem, produziremos frutos precoces, que não terão maturação nem sabor e não tardarão em corromper-se; teremos jovens doutores e crianças velhas (Rousseau).
Educar implica em civilizar e progredir pessoalmente e assim sendo o coletivo. Pela filosofia de Kant, o cuidado é o primeiro estágio da educação, o segundo estágio o é a disciplina ou treinamento, o terceiro a cultura. A prudência é o quarto estágio da educação, consistindo na faculdade de uma pessoa utilizar-se de suas habilidades de um modo socialmente aceito para alcançar seus objetivos. Por fim, o autor trata da moralização, inerente a todas as etapas e que implica direta e substancialmente na formação do caráter de cada indivíduo.
"Os homens que não se pospuseram certas regras não podem inspirar confiança; não se sabe como se comportar com eles". Entretanto, para que o homem tenha essa inclinação para agir corretamente, é necessário que desde a infância ser incentivado a obedecer regras, leis, ter e cumprir horários, rotinas.
Por uma sexta-feira de bagunça e ordem. De alegrias e do ter que lidar com as tristezas. De escolher um brinquedo levar para escola e para o play, praça e também um para doar para quem desde pequeno necessidades passa.

4 comentários:

  1. Esse é o melhor presente que uma criança pode receber: a preocupação, o cuidado com sua formação, o aperfeiçoamento de seu caráter, a repreensões que são necessárias.
    Obedecer regras, leis, autoridades está faltando no mundo, nas crianças.
    gostei de conhecer um pouquinho desse filósofo e suas ideias e práticas tão oportunas.
    Beijo com a boneca já escolhida para as brincadeiras!

    ResponderExcluir
  2. Rotinas aliadas às brincadeiras. O sério e o lúdico. O direito e o dever! Tudo junto ,uma boa receita para a educação das crianças! Linda sexta! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Vixe, como está difícil alcançar isto nos dias atuais... pai distante, mãe ocupada com aulas de ginástica para alcançar o corpo perfeito e crianças que não conhecem regras e limites. Nosso país está ficando muito feio e não temos modelos para nos inspirar. Cabe a pessoas como você criar um núcleo familiar que seja forte e consiga superar estas dificuldades.

    ResponderExcluir
  4. Sexta é o dia de brinquedo na escola, tinha até esquecido desta fase rs..
    Muito bom né?
    Brincar é bom demais

    Feliz dia das crianças

    bjokas =)

    ResponderExcluir