10 de novembro de 2015

Das minhas bolsas

Falei outro dia por aqui e por ai, que está na minha lista de livros (para ter e reler após muitos anos): A bolsa amarela. Ai lembrei ao ver uma matéria e vendo sempre por aqui, crianças inquietas, mexendo no que não devem ou correndo de lá pra cá em locais que não pode e mães que dizem em tom de ninguém ouve: Para menina! Desce daí menino! Não pega nisso! Quando não , em tom histérico e gestos estremos.
Durante toda a infância de meu filho, levar algo na bolsa, um brinquedinho, um livro, papel e caneta, algo com que se distrair era hábito. E isso passou a valer para mim comigo mesma também, levo sempre um livro, um bloco para anotações, caneta ou lápis, uma balinha para chupar e adoçar o paladar, tirar o bafo, enganar a fome e o que fazer além de ficar abduzida no celular. Um help para demoras, esperas, ansiedade, sono. Muito fácil, prático, econômico, basta criar o hábito.
Em se tratando da lida com crianças seja filho(a), sobrinho(a), seja para quem toma conta de alguma, quem vai sair com uma emprestada, quem trabalha com pesuenos ou medios, além de aquietar, ter algo a mão, educa, evita conflitos, desgastes. Muitas vezes não é danadice dos pequenos é falta do que fazer mesmo, ai a tentação dos objetos de decoração alheios piscam para elas, os espaços apertados que vivem e que tem que ir, pedem que se leve algo e também idas a espaços abertos para compensar, para extravasarem e quando em apertos o livrinho, o papo, o brinquedo, o lanche e o combinado de quando estivermos em tal lugar sd comportar.
Combinados não saem caro, dita a sabedoria popular, planejar, ter cartas mágicas na manga pars evitar malabarismos. Fazer além também vale, eu vou contar uma das minhas manias, mais nada de espalhar, é que sempre tenho algum brinquedo ou coisa que chame atenção ou distraia dentro de minhas bolsas, para crianças alheias, uma mãe. atrapalhada, desavisada dessa técnica avançada de Harvard, para eu não ver gritos e nem pequenos fazendo bobagens e de quebra faço amigos mirins. Amizade de crianças, vale pontuar, é tudo de bom. Então é isso, bolsa com ítens surpresa, meninos e homens, no bolso, no carro, sem desculpa de ah não uso bolsa. Fica dica e contação! Abração!

6 comentários:

  1. Sempre usei e ainda uso essa tática! É perfeita e funciona e na ,minha bolsa sempre teve de tuuuuudo! Vale mesmo!

    beijos, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Querida Tina
    Também sempre fui adepta desta eficiente técnica!
    Adorei seu texto e amo este livro, Bolsa Amarela.
    Obrigada pela indicação, passei lá no blog :)
    Bjks mil

    www.blogdaclauo.com

    ResponderExcluir
  3. Eu sempre usei desta tática tb.
    Já pensei em levar para igreja na bolsa giz e papel rs...
    Mas tenho receio da criançada sair riscando tudinho.
    Criança precisa de distração o que atrai nossa atenção não atrai a delas.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. Já na minha bolsa, para breve seguir pela bolsa-carteiro do carteiro.
    Não sei se a sua bolsa é amarela. Mágica certamente é. Ou talvez seja uma sacola de carinhos!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Importante!
    Certa vez recebi a visita inesperada de uma mãe e seu bebê de um ano e meio. Minha casa tem escadas do lado de dentro, e o pé direito é bem alto. Eu tive que ficar correndo atrás do menino o tempo todo, temendo que caísse nas escadas, enquanto a mãe não estava nem aí...

    ResponderExcluir
  6. Que legal, Tina!
    Eu também sempre tinha coisinhas para distrair meu filho pequeno e até hoje, carrego alguns badulaques para socorrer crianças entediadas.
    Também amo esse livro: A bolsa amarela.
    Bjs

    ResponderExcluir