5 de novembro de 2015

De por onde andei

Hoje vou fazer como se diz serem ou devessem ser os blogs: diários.
Fui essa semana na casa de minha sogra e levamos eu e marido bolo, sequinhos e sorvete para o lanche. Após o lanche, nos estendemos até a hora do café e lá fui eu com minha cunhada e sobrinha comprar o pão e eis que vou ter que cortar o contar prosaico para pontuar que voltei já a caminho da rua para deixar o celular.
Medo de assalto, de perder o bem, da violência. Medo! É móvel o aparelho mas é perigoso usar por ai.
É perigoso ir caminhando, perigoso andar de ônibus e metrô, perigoso o momento de entrar e sair de um taxi, de casa, de um bar. Andar sem joias, nem mesmo bijus, relógios, bolsas grandes.
A pé e de buzu (ônibus) para a Escola e Faculdade fui, tarde as vezes em pontos de ônibus que hoje não sei ficaria nem um minuto, ficava muitos.
Colégio do Sagrado Coração de Jesus  é o nome do Colégio onde estudei da alfabetização ao terceiro ano do ensino médio, ele fica de frente a Escola de Engenharia e era vizinho ao Colégio Angelina de Assis (que não existe mais), onde fiz aulas de jazz (dança). E pertinho tinha (tem), após uma caminhadinha pequena o Convento e Colégio Nossa Senhora do Desterro que já postei foto do pátio aqui. Andava por todos esses lugsres, sabia os nomes, sabia ensinar quem perguntasse onde era, desde pequena, adolescente então me valia, ia e vinha sem terror. Bons tempos!

9 comentários:

  1. Bons tempos mesmo Tina! Aqui pra te dare um exemplo, kiko quando faz a quimio, sai do hospital com o restante do tratamento preso em uma pochete, que deve carregar junto ao corpo, por 2 dias de cada vez. Nesses dias, não dá pra caminhar na rua, pois pode um marginal confundir com uma bolsinha e arrancar o tratamento, que é p´reso numa veia. Imagina a que ponto chegamos!

    Acabei de subir uma lomba pra levar Neno na escola. Fui e voltei me pelando de medo ,pois parece que pais não andam mai à pé.. só de carro e assim, fui e voltei e não vi ninguém !

    Bons tempos de tranquilidade os de antes.As crianças de hoje, devem temer tudo1 bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Também eu estudei de uma vida inteira no mesmo colégio. Entrei miúda e saí de lá formada em Magistério!
    E assim como colocou Chica, a insegurança obriga a todo tipo de proteção e cuidados; a grande parte das crianças só anda no carro dos pais e não sabem, talvez nunca saberão se virar num ônibus.
    Tomara um dia tudo isso se reverta e andar pelas ruas seja um prazer de uma leveza descuidada.
    Gostei do estilo diário de hoje e vou ali, porque a água já ferve na panela.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Comentário complementar para resenhsr com vocês Ans e Chica, sempre presentes e também desabafar.
    Aqui escolhendo o que vestir, pensei na camisa do time mas como em muitas ocasiões (se só, lugares cheios ou vazios demais, véspera ou dia de jogo), evito e me sinto vivendo entre bárbaros.
    Difícil!

    ResponderExcluir
  4. Oi Tina

    eu tenho medo até de atender celular na rua rs...
    Outro dia estava lembrando antigamente roubavam os relógios, hj em dia pedem o celular.
    As coisas mudam e a violência também

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  5. É muito triste isso, não podemos ser refém dessa situação. Aqui ainda é assim andamos a noite na rua conversamos com pessoa que nem sabemos que é, surge um papo e se estende até virar amizade, mas temos tido alguns caso de violência. Tenho visto pessoa ditas honestas fazendo pequenas infrações se achando no direito de ter o que bem entende e assim começa o reboliço.
    Bjos e espero que tudo volte a ser como antes com convivência pacifica entre as pessoas.

    ResponderExcluir
  6. Olá Tina,

    Já não podemos andar pelos mesmos lugares de outros tempos com a mesma tranquilidade e descompromisso. Infelizmente, a violência espalhou-se incontrolavelmente, tirando nossa liberdade e prazer de desfrutar até de praças e parques. O uso aparente de celular, jóias e outros adereços são convites aos larápios de plantão. Temos que nos adaptar aos novos costumes, acautelando-nos para não dar azo a tragédias. Lamentavelmente, estamos vivendo na era do medo, mas é preciso não se castrar totalmente. Apenas, acautelar-se e... orar.

    Obrigada pela visita. Gostei de vê-la por lá. Sei que já estive aqui em algum momento, pois já estou em seu rol de seguidores.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Tempos bons que não voltam.. muito triste nossa realidade atual né Tina?
    Aqui tb está assim, quando vamos tirar as fotos dos looks, estamos sempre de olho com medo de ser assaltados, pq isso quase aconteceu algumas vezes :( Até em casa estamos sempre atentos... Sinto falta da liberdade de andar na rua sem tanta preocupação...

    Beijãooooooo

    ResponderExcluir
  8. Aqui Tina é uma cidade pequeniníssima, mas já tem acontecido assaltos com menores infratores, a droga tem invadido os lares e ninguém mais confia porta aberta e ficar andando de celular á vista. eu que já morei em SP e j´s sou traumatizada não confio nem de olhos bem abertos. Triste realidade. Mas pra sonhar, tem novidades, delicadezas, poesia e a Alice lendo o vídeo completo no blog pousa lá. Bjs

    ResponderExcluir
  9. Olá, querida Tina
    Hoje fui ao centro do RJ e me passou tudo isso mas resisti firme na fé e andei com tudo na bolsa... costumo andar com o principal no bolso...
    Disse pra mim mesma: preciso andar sem medo...
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir