16 de novembro de 2015

Sobre livros e borboletas

Recebi por e-mail a foto acima, após contatos por conta de uma postagem que fiz em 2014, cheia de visitas escolares e comentários ainda durante esse ano (ver aqui). Contação que transcrevi com minhas impressões, sobre um projeto realizado em 2011 lá na Escola Municipal Prof. João Bernardino da Silveira Junior, lá em
O projeto: De lagarta a borboleta, foi desenvolvido em duas turmas de 4º ano do Ensino Fundamental. Foram levadas para a sala de aula, umas vinte lagartas de couve, retiradas na folha e colocadas em um vidro de conserva com perfurações na tampa para que as crianças pudessem observá-las. As simpáticas verdejantes rastejantes eram de vários tamanhos, desde pequetiticas, até grandononas e comilonas. 
Questões problematizadoras surgiram, observações, colocações, interrogações. Curiosos e ansiosos diante das lagartas, que foram se acalmando e parando de comer, se preparando para entrar em outra fase. Durante esse período, foram feitas leituras de textos diversos, exibição de vídeos e registros individuais. 
A cada mudança, muitas resenhas, muita imaginação, contemplação, aprendizados, interação, a espera, o acompanhar e entender processos, transformações que dizem respeito à vida, das lagartas, deles e de todos os seres vivos. Professora e alunos curtiram os movimentos em crisálidas, rompimento da cutícula, o nascimento das borboletas e a libertaram as lagartas capturadas, com asas e cores ao meio ambiente.
De lagartas a borboletas é o processo escolar, que mais devia ser observado, enriquecido, desvirtualizado cada dia menos e não mais, poetizado. Fica aqui o registro, meu aplauso, o comparativo entre livros e borboletas, que possuem e dão asas, meu encantamento e meu desejo de melhores escolas, bons professores, diretores, alunos estimulados, acompanhados, com propostas e projetos que os envolvam com a natureza, uns com os outros, com sentidos e sentimentos, para que sejam pessoas melhores, por um mundo melhor.

7 comentários:

  1. É, assim como este simples inseto, as crianças entram na escola como simples lagartas e saem as vezes borboletas e as vezes só mariposas... Que possam todas, todas, saírem lindas, grandes e belas borboletas!
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Gostei, é bem assim mesmo.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. E assim vamos plantando sementes d epaz e de bem. Lindo demais

    ResponderExcluir
  4. Que mais projetos assim, professores assim, que cultivam o espanto que existe na criança, possam acontecer.
    Natureza, alma e poesia sempre, na escola e na vida!
    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Não é fácil passar de lagartas a borboletas, mas é recompensador porque ele inclui o sonho glorioso da aquisição de asas. Me emociona ler um post assim porque educar não é fácil e tão difícil que é as vezes nós nos esquecemos do objetivo final de todo o processo, nos esquecemos do mais importante: da aquisição das asas tantos para os educandos quanto para nós educadores... Exercer a profissão que escolhi é uma forma de voo, obrigada por me lembrar disso, por me emocionar bem agora que faço balanços do que foi bom na educação infantil e me preparo para elaborar as avaliações da quarta unidade e reflito sobre o destino de meus alunos mais difíceis.

    Obrigada por lembrar de mim nesses momentos. Eu vou levar comigo a sabedoria das suas palavras, realmente "de lagartas a borboletas é o processo escolar, que mais devia ser observado, enriquecido, desvirtualizado cada dia menos e não mais, poetizado."

    ResponderExcluir
  6. Lembro-me de minha trajetória escolar, que não passa de permanecer num silêncio no casulo por um bom tempo, até chegar a obter asas. Não tinha me dado conta disso. Porém, é gratificante quando alguém nos faz perceber.

    Não esquecendo daqueles que passam por nossas mãos que deveriam todos se tornarem em borboletas, se libertarem e conquistarem as asas da liberdade de iniciativas sábias e voarem no universo maravilhoso da liberdade.
    Obrigada!

    ResponderExcluir