5 de dezembro de 2015

Sobre olhar para o lado

Olhar pra cima e ver telhas, que pelas de cerâmica em dias de chuva pingam goteiras, as de fibra esquentam com e sem sol. Olhar para cima e ver teto de gesso, lage, outro andar. Ver de um tipo e de outro desejar. Valendo lembrar que tem quem olha e vê papelão ou o céu lindo e sua mágica imensidão e sob si, crianças, adultos, idosos, muitos Brasil a fora e adentro que não tem teto não.
Abri essa janela para postar aqui porque hoje é o dia do voluntário, para falar, divulgar o trabalho e propostas de uma Ong, da qual o irmão de uma amiga de meu filho faz parte.
Pesquisei sobre e além do vídeo (clica aqui para ver) que ela me mandou, trouxe uma Campanha feita pelo pessoal de Sampa, que achei muito boa e movimentou as tais redes sociais. Precisamos falar mais, publicar, questionar e fazer algo concreto, fazer sempre algo sobre a pobreza, além do período natalino.
A Ong  que se chama: Teto, vem  fazendo sua partese movimentando além do midiático contra à banalização do que é notícia, e vem alertando para a miséria no Brasil, com ações como a do vídeo linkado e a paulista de fotos de moradores de uma comunidade carente segurando cartazes com frases tipo: "Famosa é vista falando ao celular". As frases não são piadas, nem foram criadas para ridicularizar notícias banais, todas (cada uma mais surreal que a outra) foram notícias reais publicadas por diversos canais (jornais, sites grandes) na internet.
Uma delas, que deu muita visibilidade a campanha, foi sobre meu conterrâneo Caetano. Há alguns poucos anos, o portal Terra publicou a seguinte notícia: "Caetano [Veloso] estaciona carro no Leblon nesta quinta-feira", com fotos do celebre (sqn) momento. A banalidade da informação viralizou a "notícia" que, a cada ano, é lembrada por internautas com a hashtag: #CaetanoEstacionaNoLeblon. 
Então, tetos, olhar para além do umbigo, do fútil, noção, pessoas estrelas (pops ou simples) em notícias que inpirem e faça virar viral ser voluntário, que tal?

14 comentários:

  1. Precisamos olhar acima do umbigo, ver os arredores as crianças que precisam de amor, quem precisa de paz, de um olhar mais afetuoso, um bom dia, um pão, um estender a mão. boa iniciativa. No blog tem textos sobre nossos dias na escola vem ver

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acima
      Abaixo
      Além

      Indo lá no poesia ;)

      Excluir
  2. 77. Número que aprendi com você, ser mágico. Assistindo ao vídeo, a gente renova as esperanças num momento tão tumultuado do mundo. Gente, que com trabalho voluntário, faz, concretiza, descruza os braços.
    Que as notícias sejam cada vez mais com significados!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Tina Flor!
    Não dar ibope para essas notícias e estar alerta para ver além da nossa rotina é o caminho que imagino. Tantas são as coisas mais importantes...
    Outro dia, aqui na rua de casa estava um rapaz sentado na calçada crochetando com muitas lãs. Levei filho na escola pensando o que aquele rapaz fazia no meio do quarteirão, no chão e fazendo crochê!!! Que diferente isso!
    Na volta, não me aguentei...parei para conversar com o moço e reparei que o que ele crochetava com lãs coloridas era uma manta grande. Ele me disse que fazia parte de um movimento na cidade e que outros como ele estavam crochetando e cobrindo o tronco as árvores e nelas uma plaquinha do lar dos idosos ou orfanato. Para chamar a atenção das pessoas para as instituições que precisam de ajuda e voluntários.
    Chegamos ao ponto de terem de pedir ajuda a população vestindo as árvores de crochê e assim serem vistas e assim quem sabe, a solidariedade entrar no coração do pedestre.
    Tantas são as notícias mais importantes, do que o passeio do artista, com certeza.
    Beijos Tina...até a próxima!
    CamomilaRosa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela partilha amiga rendeira fada flor

      Excluir
  4. Acabo de colher, entre lãs e agulha, mais uma bela história por aqui.

    ResponderExcluir
  5. Concordo plenamente.
    A banalização da notícia e dos telejornais é algo nojento. As revistas e jornais ganham com a futilidade e as TVs com a desgraça.
    Esses dias perguntava para o marido "onde foi parar o jornalismo puro, impessoal? Aquele que leva a notícia, busca soluções e mostra os dois lados de tudo?".
    O que não falta para fazer são ações em prol do próximo, seja um vizinho, uma cidade, um animal... sempre podemos fazer o bem!

    Bom post!
    Abraços esmagadores e lindo dia (vou lá ver o vídeo).

    ResponderExcluir
  6. Acabo de aprender um pouco mais sobre a importância do olhar.
    Olhar em todas as direções.
    Olhar de misericórdia,
    olhar de compaixão.
    Vencer as diferenças em meio a tantas injustiças.
    Abraço, é forte sua chamada. Valeu a pena!

    ResponderExcluir
  7. O país anda tão feio que hoje, por exemplo, estou comemorando porque o sinal da TV a cabo estragou e sei que vou ficar, no mínimo, 48 horas sem notícias. Tempo para ficar quietinha, em casa, sem a correria dos shopping, sem o stress do trânsito e com um bom livro nas mãos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu aqui comemorando as 48h sem zap e antes de 12h e após chamadas diversas para outras plataformas, tudo igual
      Todo mundo abduzido

      Excluir
    2. Cumpriu 1/3 da pena e foi liberado. Não disse que este país esta ficando feio?

      Excluir