3 de maio de 2016

Das ondas digitais pras reais

Passo por essa Praça quase todo dia
E esse fotografar a dias fiquei a programar
Por medo de sacar o celular
Onde vamos parar?
Com o zap fora do ar desde ontem
Me perdoe quem usa pra trabalhar e namorar
Mas não pude evitar
Segue para o retrato acompanhar
Pedido tipo poetar
Que pare toda a tecnologia
Nenhum aviso de mensagem
Áudio, vídeo, imagem, texto, nada
Nenhum app novo seja criado ou baixado
Alguns dias por favor sem Jornal
Na tv, nem impressos
Que abaixem os valores de ingressos 
Para futebol, teatro, cinema
O viver anda morto, morno, marolado
Que se curta mais as ondas do mar
Das praças
De fotos antigas, lembranças, traças
Que ouça-se menos avisos sonoros de smartphones
Alarmes de carros, buzinas
Lacres de latinhas de cerveja
Emudeçam por favor músicas que a letra é um horror
Mais melodias instrumentais
Estrofes que nos falem mais
Ondas, sinos a soar
O vento nas folhas, passarinhos a arrevoar
Que aviões sobrevoando o céu sejam vistos
Os passantes pelas janelas das casas
Os finais de tarde
A paisagem por quem dirige
Quem está no carona
E atrás pelo retrovisor
Não estando vidrados pobres e abastados 
Nas telas na palma mão, dedos, colo
Ao alcance imediato
E longe do coração
Que andar a pé, de coletiv o ou bike
Não seja para se pensar
Se alguém vai te roubar, machucar, matar
Que tomar banho de sol e lua
E ir pra rua
Não sejam só por protestos ou badalação
Ondas de concreto
Concreto viver, ser, estar, ir e vir
Com cheiros, gostos, desgostos, sorrisos e emoções
Não de emojis, tipo miojo
De verdade, banho Maria, esperas
Marés, mares, mais que digital
Concreto

12 comentários:

  1. Bom dia Tina flor!!!
    Pois é...uma noite sem mensagens, hoje já não sei como será, mas até eu que demorei para ter um celular com internet já estava na onda do Zap.
    Viver como antigamente, reparando dos lados, olhando para pessoas, para flores e não para a tela.
    Lindo texto rimado seu, adoro!
    Beijos com cores e flores ao seu lado.
    CamomilaRosa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cores, texturas, sons, sabores
      Com rima e carinho
      Amiga fada flor passarinho

      Excluir
  2. Precisamos mesmo silenciar mais, para ouvir ao nosso redor.Aí veremos que tudo fala... Lindo teu texto.merece ir para um jornal! Beleza! bjs, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoraria um escrito meu em um jornal
      Uma coluna, como a do filme (livro) que da nome ao blog então
      Nada mal

      Bjs de quintal Chica querida

      Excluir
  3. Mas devo confessar que estou louca pra que o Whatts volte.Quando o ouço, é vida me chamando: são as filhas,netos...Vale assim! bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também uso e gosto e vale
      Assim
      Para trabalhar
      Sem de alienar

      O meu sem som
      Eu cosulto ele
      Não gosto que fique a me chamar rsrs

      Excluir
  4. Recebi várias mensagens antes do silêncio chegar: instale isto ou aquilo antes da catástrofe chegar. Mas ando preferindo os silêncios e, caso tenha muita urgência, que tal usar o telefone? Vale até um sinal de fumaça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é
      Vale buzinar, bater na porta
      Usar o telefone fixo coitado
      Mandar recado
      ...

      Excluir
  5. A coisa ta tensa, eu tenho medo de atende celular na rua e ser roubada. Porque agora virou moda tomarem os celulares.
    O Zap ta fora do ar, é chato mas ta uma paz tão boa rs... Me perdoe os viciados de plantão rs...

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  6. Uma bela poesia num tema bem atual e muito criativa.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Nice to meet you
    Have a good day

    ResponderExcluir
  8. Boa noite, querida Tina!
    Meu Deus, que bom poder ler algo assim tão edificante, menos vulgar e banal como o que está rolando pelo ar ou no virtual!
    Bjm muito fraternal

    ResponderExcluir